Busca no site

Por dentro da gravidez

Conheça em detalhe as estruturas e órgãos que participam da gestação e entenda a importância de cada um para a evolução do feto nos nove meses

 
 
1-Placenta É o órgão responsável pelo fornecimento de nutriente e oxigênio para o feto através dos vasos maternos.A placenta surge no momento em que o embrião se fixa no endométrio, a partir de células presentes no complexo do pré-embrião.Depois do terceiro mês,também tem função de produzir estrogênio e progesterona, hormônios que mantêm a gravidez. Logo após o parto, ela se descola e é descartada.

2-Líquido amniótico Produzido pelas células da placenta e da membrana que recobre o embrião, o líquido está presente desde o início da gravidez a fim de proteger o feto de possíveis agressões. É resultante de uma mistura do líquido produzido pelas membranas da bolsa d‘água e urina do bebê.Nele são jogados os dejetos (urina e secreções broncopulmonares do feto) que são filtrados pelo útero e pela placenta e seguem, então, para a corrente sanguínea da mãe para serem eliminados pela urina.

3-Endométrio Tecido que recobre a parede interna do útero e recebe o embrião como uma espécie de ninho cinco a sete dias depois da fecundação, que acontece nas trompas.Também é responsável pelo suprimento de vascularização (veias e artérias) para nutrir a placenta, o cordão umbilical e o bebê. Ele é formado em todos os ciclos menstruais da mulher para receber uma possível gravidez.

4-Cordão É formado por uma artéria, duas veias e uma substância gelatinosa. Como é continuação da placenta,o cordão faz a ligação entre ela e o bebê,e já no oitavo dia de gestação é possível ver o broto do cordão umbilical.Na hora do parto,o bebê está ligado ao cordão,que é cortado pelo médico e,então,puxado fazendo com que a placenta se descole.

5-Bolsa É uma película que se forma a partir da placenta e mantém o líquido amniótico.Quando as contrações iniciam, ela se rompe e o líquido é eliminado acelerando o trabalho de parto. Ela pode, também,ser rompida artificialmente pelo médico.

6-Feto Começa com a fecundação de uma célula feminina e uma masculina que vai se multiplicando aceleradamente.Cada uma delas tem potencial para se tornar um determinado órgão.Das células diferenciadas do pré-embrião (proveniente da fecundação) são originadas a placenta,o cordão umbilical e o bebê.

7-Colo do útero É a parte mais baixa do útero feita de um tecido fino e elástico. O colo do útero sofre dilatação durante o trabalho de parto devido a pressão do bebê e se abre até atingir 10 cm, permitindo a passagem dele.

8-Tampão Há uma espécie de muco no colo do útero que permite os espermatozóides sobreviverem até alcançar o óvulo. A progesterona produzida na gestação o coagula e forma o tampão a fim de evitar que outros espermatozóides cheguem ao óvulo já fecundado. Instalado entre a vagina e a cavidade uterina, serve também para proteger contra a entrada de bactérias.No trabalho de parto ou dias antes, o útero elimina o tampão devido às contrações e sinaliza a primeira etapa da abertura do colo do útero.

Revista Meu Nenê
Julho/2007
Repórter: Fernanda Murachovsky
ILUSTRAÇÃO:MG

Veja Também!

As novidades do congresso de reprodução - Duas notícias divulgadas na 23ª conferência anual da Sociedade Européia de Reprodução Humana e Embriologia, que acontece em Lyon, na França, ganharam repercussão internacional nesta semana
Obesidade pode causar infertilidade feminina - Problemas de ovulação, que afetam 1 em cada 15 mulheres no mundo, podem estar relacionados com obesidade e esconder doenças como diabete e problemas cardiovasculares
Mamografia não detecta metade dos tumores - Pesquisa mostrou que ressonância magnética foi mais eficientes em mulheres jovens
Quando começa o ser humano? - Especialistas discutem o ponto mais polêmico das pesquisas com células-tronco de embriões humanos
Variação acentuada de peso da mãe é perigosa para bebê - Mulheres que engordam ou emagrecem muito entre uma gravidez e outra podem estar colocando a vida dos seus bebês em risco, segundo um artigo de dois médicos irlandeses publicado no British Medical Journal
Fundação de Medicina Fetal Latinoamericana
Perkin-Elmer